segunda-feira, 24 de junho de 2013

Confusa

  Será que somos mesmo capazes de sermos felizes?
 E se o amanhã de fato nunca chegar, o que deve ser feito?
 Desistir? 
Persistir? 
Ou fingir que não o vejo?
 Eu estou realmente muito confusa agora. 
Me perguntando quem realmente sou e o que realmente quero, não sei as respostas.
Imagino se um dia eu vá encontrá-las, se virão fáceis ou difíceis e se as terei antes de vir a falecer.
Assemelha-se mais à guerra do que exatamente uma batalha.