terça-feira, 21 de novembro de 2017

Ele me chama...

Ouço os trilhos se aproximando e meus olhos se fecham, Ele me chama, posso sentir na minha espinha, as sensações se misturam em meio às batidas do coração, turbulência. A negação de não querer ir, enquanto Ele chama mais forte. Não posso, não agora, grito de fora para dentro no que mais parece uma punhalada no peito, como se estivesse tão comprimido que coubesse na minha palma.

Me deixe ir

Por que você simplesmente não vai embora? Não o quero aqui, fique longe de mim. Essa tristeza no peito e a angústia de não saber quando perderei o controle, não quero, leve de volta. Quero ser melhor pra ele, então você tem de ir. Me deixe. Porque não importa o quanto tente, você não me deixa, então peço, vá embora. Não volte mais. Preciso que volte a ser uma semente, mas dessa vez uma que pecou e não deu frutos. Tire suas raízes, eu quero ir. Me deixe ir.

quarta-feira, 8 de março de 2017

How I fell

Hoje acordei com a mesma velha angústia, daquela que aperta a garganta e te impede de respirar. Mais dúvidas surgem em minha mente como um furacão em meio ao caos. Os dias calmos e seguros acabaram, a sensação de existência passou e trouxe novamente o buraco negro que me ronda. A visão nublada voltou e com ela a tentativa estúpida de trocar o óculos e encontrar a nitidez temporária novamente. Estou procurando um lugar na minha própria vida, em qual parte vou encaixar e deixar essa crise para trás? Espero pela parte em que a dificuldade passa e permanece somente a calmaria.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Sentimento estranho

Sentir felicidade é estranho,
já faz tanto tempo.
A correria me fez esquecer.
O medo não deixou chegar perto.

Mesmo no impossível, você veio.
Mesmo com tantos muros, você chegou.
E não me senti vazia, não senti que era apenas mais um dia.
Eu me senti viva, esperanças criaram raízes.
Estava feliz, finalmente, depois de tanta tortura.